Atividade física: gaste o que ingere!

Atividade física: gaste o que ingere!

2016-12-20

A importância da atividade física é já vastamente reconhecida na atualidade. A prática regular de atividade física reduz o risco de desenvolver doenças crónicas não transmissíveis, que constituem nas sociedades ocidentais a principal causa de morte e morbilidade, e das quais fazem parte as doenças cardiovasculares. Regulação do peso e da pressão arterial, aumento da sensibilidade à insulina, melhor controlo da glicémia, regulação dos níveis de colesterol e melhoria geral do perfil lipídico são alguns dos benefícios associados ao exercício que estão na explicação das melhorias verificadas do ponto de vista cardiovascular e metabólico; contudo, os seus benefícios estendem-se a uma melhor saúde geral, com uma melhor imunidade, melhor qualidade do sono, maior capacidade de atenção e memória, melhor postura, entre outros.
 
Apesar disso, a prática de atividade física não atinge ainda os níveis desejados ao nível da população portuguesa. Mais de 60% dos portugueses em idade adulta não apresenta o hábito de praticar algum tipo de desporto ou atividade física, de acordo com dados estatísticos do Eurobarómetro, obtidos em 2014. Esta realidade não se verifica apenas a nível nacional, mas também nos restantes países europeus, onde mais de 70% dos adolescentes a não atingir as recomendações ao nível da atividadefísica, o que contribui para que mantenham este estilo de vida pouco ativo na idade adulta. Assim, a Organização Mundial de Saúde (OMS) sugeriu que cada país desenvolvesse um conjunto de estratégias de promoção da atividade física, divulgando não só a sua importância, como criando condições que permitissem a sua realização independentemente de qualquer condição económica, social ou demográfica. Nesse sentido, a 30 de maio, a Direção Geral de Saúde (DGS), em parceria com outros organismos, apresentou uma proposta de “Estratégia Nacional para a Promoção da AtividadeFísica, da Saúde e do Bem-Estar” (ENPAF), que até recentemente se encontrava em fase de discussão pública. Esta estratégia pretende, no prazo de 10 anos, tornar a população portuguesa mais ativa, reduzindo o sedentarismo e o seu impacto na saúde.
 
Muitos dos motivos apresentados para a falta de prática de atividade física prendem-se com falta de tempo, questões monetárias ou falta de interesse pelas práticas desportivas. A verdade é que não precisa de ginásio ou de modalidades desportivas para realizar exercícios simples, mas eficazes para a melhoria da sua saúde. São cada vez mais os sites e revistas que apresentam exercícios simples para fazer em casa, poupando assim algum tempo e dinheiro. Se é dos exercícios em si que não gosta, pode optar pelas simples corridas ou caminhadas, adaptando o tempo e a intensidade às suas capacidades e à evolução verificada ao longo do tempo. O importante mesmo é não estar parado!
 
É também possível obter alguns benefícios para a saúde também com a realização de pequenas atividades diárias, desde caminhar, substituir o elevador pelas escadas, limpar a casa, carregar as compras, ou mesmo tratar da loiça e da roupa. Sabia que se despender, no mínimo, de 30 minutos diários para praticar estas atividades, já está a aumentar o seu gasto calórico diário e a contribuir para um melhor estado do seu coração?
 
Em seguida apresentamos algumas imagens que refletem o valor calórico de alguns alimentos, assim como algumas atividades com um gasto energético equivalente. Tanto o valor calórico dos alimentos como o gasto energético apresentados constituem valores médios e estimados, facto que deve ser tido em consideração na interpretação das mesmas. Apenas o valor calórico é apresentando, desprezando valores de açúcares, gordura, sal, fibra e teor vitamínico e mineral que devem ser tidos em conta na escolha diária dos alimentos a consumir. *
 
*O gasto energético apresentado é um valor aproximado calculado para um indivíduo de 70kg. Quanto maior a intensidade associada à realização de cada exercício, maior o gasto calórico associado.

fonte: www.fpcardiologia.pt

ver mais